terça-feira, 21 de março de 2017

"NÃO CONSIGO APRENDER INGLÊS!"






Ensino Inglês há mais de 20 anos, o que me deixa com um certo 'background' para tecer algumas observações a respeito dos perfis dos muitos alunos que já passaram por mim. O que eu tenho visto, é que a maioria dos alunos adultos que decidem aprender inglês o mais rápido possível apenas por causa do trabalho, acabam desistindo do curso. Falta-lhes motivação e sobra ansiedade. Geralmente, tais alunos tiveram chance de aprender quando eram crianças ou adolescentes, mas não a aproveitaram porque detestavam inglês, e tinham 'coisas melhores' para fazer. Aprender apenas porque sente-se forçado devido ao trabalho não é o suficiente; é preciso uma motivação maior que esta.

Estes alunos desesperados acreditam que, matriculando-se cinco dias por semana, várias horas por dia, estarão fazendo o suficiente; porém, seria bem melhor se assistissem a duas ou três horas de aulas, e em casa, procurassem dedicar seu tempo a ler mais em inglês, escutar músicas, assistir a filmes, ouvir os áudios dados durante as aulas, fazer os exercícios e estudar os textos e a gramática dados em sala de aula. 

Já está mais que provado que cursos intensivos não garantem total assimilação, pois há uma quantidade enorme de conteúdo para ser aprendido em pouquíssimo tempo. Certamente, ninguém terá tempo de estudar em casa o que foi ensinado em aula. PARA APRENDER UMA ESTRUTURA FRASAL OU UM TEMPO VERBAL, É PRECISO PRATICÁ-LO - FAZER EXERCÍCIOS ESCRITOS, ORAIS E AUDITIVOS.

E os preços de cursos intensivos podem ser bem altos! 👎👀

Quando o aluno chega até mim me perguntando sobre todos os meus horários livres e querendo ocupar todos eles, ao invés de ficar feliz com a possibilidade de ganhar mais com o meu trabalho, eu tento dissuadi-lo; sei exatamente qual será o resultado: desistência. Tento conversar, e convencê-lo de que seria melhor começar mais devagar, e dedicar mais tempo às atividades sugeridas fora de sala de aula. Sem dedicação total, ninguém aprende muita coisa.

Porém, às vezes chegam até mim aqueles alunos que, segundo eles mesmos, "não conseguem aprender." Já passaram por vários cursos e professores particulares, sem obter grandes resultados: dois anos aqui, um ali, seis meses acolá... 

O que eu tenho percebido, é que eles se subestimam, e também subestimam suas capacidades. É claro que algumas pessoas têm mais capacidade para aprender inglês do que outras - e o mesmo se dá a respeito de matemática, ciências, etc... porém, isto apenas significa que, aquele aluno que tem mais dificuldades, precisará dedicar-se mais, estudar com mais afinco e, o mais importante de tudo, não desistir!

Quando você é iniciante e desiste diante das primeiras dificuldades, está se estigmatizando a ser um eterno aluno iniciante: aquele que começa, desiste, e ao recomeçar, precisa fazê-lo do zero, pois não praticou o suficiente para guardar as estruturas básicas, e necessita aprender todas elas de novo. E esse ciclo pode durar a vida toda. 

Já vi muitos destes alunos culpando os professores e/ou as metodologias dos cursos que frequentam por seu insucesso, simplesmente porque é mais fácil culpar alguém a assumir a própria responsabilidade pelo seu fracasso. 

Quem desiste, automaticamente fracassa. Quem persiste, tentando superar suas dificuldades, dedicando-se mais, estudando e esforçando-se, terá sucesso. Mesmo que leve mais tempo. Mas é preciso ter olhos para ver e para admitir que falta de tempo, na verdade,  é falta de vontade, de método, de organização.

Pense bem: quanto tempo você passa em frente à TV, na academia, dormindo, ou tomando uma cerveja com os amigos? Será que não poderia dividir este tempo e dedicar metade dele aos seus estudos de inglês? Garanto que sim! Basta organizar-se. E tirar do seu vocabulário a palavra 'desistência.' 

Digo sempre aos meus alunos: nos dias de hoje, aprender inglês não é um diferencial na hora de conseguir um emprego ou uma promoção: é uma exigência.



Nenhum comentário:

Postar um comentário