quarta-feira, 21 de junho de 2017

Não é Nada Fácil...





Às vezes, não é nada fácil acordar mais cedo, ou sair do trabalho após um dia cansativo e ir à aula de inglês. Dá vontade de desistir no caminho. A imagem da mesa com o jantar quentinho nos esperando; o sofá, a TV e a cama macia nos fazem ter vontade de desistir de tudo, não é? Eu sei; já passei por isso! Mas se você for para casa, qual será seu mérito?

Às vezes, é preciso fazer um esforço extra, superar o cansaço e a preguiça e respirar fundo. Não desista! Seu esforço será recompensado quando, na próxima reunião de negócios, viagem ou conference call, você for notado pela sua fluência e desembaraço na língua inglesa. Quem sabe, isso até possa render-lhe uma promoção ou, pelo menos, um elogio do chefe?

É preciso entender (já disse isso algumas vezes por aqui) que saber inglês nos dias de hoje, não é mais um diferencial entre você e os outros candidatos àquela vaga de emprego: é um requisito! Se você não fala inglês, estará fora do mercado em várias profissões. 

Vale mesmo a pena faltar mais uma aula? Vai desistir de novo? Espero, sinceramente e para o seu próprio progresso, que não.




Phrasal Verb SET UP




Olá, pessoal! Hoje quero falar sobre os significados do phrasal verb SET UP. Sim, há mais de um. E o que é um phrasal verb? Para quem não sabe, phrasal verbs são verbos acompanhados de preposições ou advérbios, que quando juntos, formam outros significados diferentes do significado do verbo quando usado sozinho.

Existem dicionários de phrasal verbs em inglês. Isso pode dar uma ideia do quanto é difícil aprendê-los! Porém, é bom que você procure aprender pelo menos os mais populares, já que os phrasal verbs deixam a linguagem mais natural e informal, e são usados o tempo todo.

Bem, mas vamos ao SET UP:    👇👇👇


😊1- Let's set up an action plan to solve this problem! > Neste caso, 'set up' quer dizer estabelecer ou preparar. (Vamos preparar um plano de ação para resolver este problema)

😊2- One day I'd like to set up my own business. > Aqui, 'set up' quer dizer montar ou abrir. (Um dia eu gostaria de montar meu próprio negócio)

😊3- I set up a time to see my doctor > Marcar um horário:  (Marquei um horário para ver o médico)

😊4- It's really easy to set up this software! > instalar: (É realmente fácil instalar este software).

😊5- Como um substantivo: Uma 'armação', algo feito para enganar alguém: > People believe that everything was nothing but a setup to make shareholders buy more (As pessoas creem que tudo não passou de uma armação para fazer os acionistas comprarem mais) - Note que aqui está escrito setup, e não set up, separado.

😊6- System setup (com a ajuda do dicionário online Linguee) > Sistema de configuração: See the system setup manual for more information (Veja o manual de instruções do sistema operacional para maiores informações)

😊 7- I bought a bike online. The problem is that now I have to set it up > neste caso, 'set up' significa montar, colocar as partes juntas. (Comprei uma bike online. O problema, é que agora tenho que montá-la)



That's all for today! See you!


segunda-feira, 5 de junho de 2017

EL CONDOR PASA (IF I COULD)






El Condor Pasa ( If I could )  -  Simon & Garfunkel

How come??? It's not English!

Yes, it is! An old song by Simon & Garfunkel. According to Wikipedia, "El Cóndor Pasa  is an orchestral musical piece from the zarzuela El Cóndor Pasa by the Peruvian composer Daniel Alomía Robles, written in 1913 and based on traditional Andean music, specifically folk music from Peru.
Since then, it has been estimated that around the world, more than 4000 versions of the melody have been produced, along with 300 sets of lyrics. In 2004, Peru declared this song as part of the national cultural heritage. This song is now considered the second national anthem of Peru."

Traduzindo:

Como assim??? isto não é inglês!

Sim, é! Uma velha canção de Simon e Garfunkel. De acordo com a Wikipedia, "El Condor Pasa é uma música orquestrada de Zarzuela El Condor Pasa do compositor peruano Daniel Alomia  Robles, escrita em 1913 e baseada em uma tradicional canção dos Andes, especificamente folclórica, do Peru. Desde então, estima-se que em todo o mundo, mais de 4000 versões desta melodia foram produzidas, juntamente com 300 letras. Em 2004, o Peru declarou esta canção parte da herança cultural nacional. Esta canção é agora considerada o segundo hino do Peru. 





Listen to the song and read the lyrics:

I'd rather be a sparrow than a snail
Eu preferiria ser um pássaro a um caramujo
Yes, I would if I could
Sim, eu preferiria se eu pudesse
I  surely would
Eu certamente preferiria 

I'd rather be a hammer than a nail
Eu preferiria ser um martelo a um prego
Yes, I would if I could
Sim, eu preferiria se eu pudesse
I surely would
Eu certamente preferiria

Away, I'd rather sail away
Para longe, eu preferiria velejar para longe
Like a swan that's here and gone
Como um cisne que vem e vai
A man gets tied up to the ground
Um homem se torna apegado ao chão
He gives the world its saddest sound, its saddest sound
Ele dá ao mundo seu som mais triste, seu som mais triste

I'd rather be a forest than a street
Eu preferiria ser uma floresta a uma rua
Yes I would if I could
Sim, eu preferiria se eu pudesse
I surely would
Eu certamente preferiria
I'd rather feel the earth beneath my feet
Eu preferiria sentir a terra sob meus pés
Yes, I would if I could
Sim, eu preferiria se eu pudesse
I surely would
Eu certamente preferiria.





I'd rather = I would rather = Eu preferiria.

Usamos assim: Sujeito + would rather + infinitivo sem 'to' + than + infinitivo sem 'to': 

SHE WOULD RATHER DIE A SINGLE WOMAN THAN MARRY PETER (Ela preferiria morrer solteira a casar-se com Peter)
É mais comum usar a forma contraída: She'd rather, I'd rather, they'd rather, etc...

Usamos I'd rather da mesma forma que usamos I would prefer. Exemplos:

I'd rather be rich than poor. (Eu preferiria ser rico a pobre)
He'd rather leave now than spend the night (Ele preferiria ir embora agora a passar a noite)



👇



Answer the questions; give complete answers!

Would you rather be rich or poor?   ......................................................................................................
Would you rather live in the country or in a big city? ..........................................................................
Would you rather travel by boat or plane? ............................................................................................
Would you rather eat pasta or meat? .....................................................................................................
Would you rather be old or young? .......................................................................................................
Would you rather stay home or go out tonight? ....................................................................................





segunda-feira, 29 de maio de 2017

GROUND / LAND / EARTH / FLOOR - WHAT'S THE DIFFERENCE?



She's sitting on the ground




Ground, land, earth or floor? 


The ground is the surface that you walk on when you are outdoors: “There were a few flakes of snow on the ground.”

Land is an area of ground that is owned or controlled by someone: “They were on his land.”
It is also the part of the earth’s surface that is not covered in water: “Animals that live on the land.”

Earth or soil is the part of the soft substance that covers the ground and the plants grow in: “Fertile soil”.
The Earth or earth is also the planet that we live on. 

The floor is the surface that you walk on when you are indoors: “There’s mud on the floor!”

Put in ‘soil’, ‘earth’, ‘ground’, ‘land’ or floor:
a) My farm’s ___________  stretches 5 kilometers to the south.
b) I’m thinking about buying a piece of __________ in this area.
c) The _________ here is wet and soft. Be careful not to fall in the mud.
d) It was autumn. There were leaves falling to the _____________.
e) This flower beds need more _________.
f) This is such beautiful __________!
g) He laid on the ___________ and stared up at the clouds in the sky.
h) I’m thinking about changing the kitchen __________.
i) There were no seats available in the living room so we sat on the _________.
j) She went under a tree and sat on the __________ to read her book.



👇

Answers:

a) land
b) land
c) soil
d) ground
e) earth
f) land
g) ground
h) floor
i) floor
j) ground

quarta-feira, 24 de maio de 2017

WILL

Will Smith - que não tem nada a ver com este post, mas que é um de meus atores preferidos.


WILL



Todo mundo aprende nos cursos de inglês que WILL é usado para formar frases no futuro. Exemplos:

One day, I will buy a house at the beach. (Um dia, comprarei uma casa na praia)

Mas WILL possui muitos outros usos, e nem todos os cursos de inglês falam sobre eles - o que eu acho uma pena. Hoje nós vamos dar um pequeno passeio para além do futuro que existe em WILL.


Como substantivo, will pode significar 'desejo.'



👉WILL pode ser usado para expressar uma promessa; vamos supor que você tenha se esquecido, pela enésima vez, de devolver um livro que seu amigo emprestou a você há cinco anos. Você chega para ele meio sem graça e diz: "I will bring your book next week. I promise!"  Neste caso, WILL é mais que uma simples forma de futuro: soa como uma promessa.

👉WILL é também usado para expressarmos uma decisão espontânea, tomada no momento da fala - algo no qual você não estava pensando antes, mas que acaba de ocorrer a você. Assim:

Alguém está à porta, e você diz: "Don't worry! I'll open it."  Claramente, não é uma forma de futuro, pois você vai abrir a porta imediatamente, e não amanhã de manhã; traduzindo para o português, ficaria assim; "Não se preocupe; eu abro!"  "Eu abro" é uma decisão tomada no momento da fala. Você está se oferecendo para fazer algo. É melhor abreviar: ao invés de dizer "I will open it", diga: "I'll open it." Soa mais espontâneo!

👀

Outra situação: Alguém está com frio, e você se oferece para fazer algo a respeito: "I'll turn on the heater!"  Ou seja: "Eu ligo o aquecedor." 





👉WILL também é usado quando queremos fazer uma previsão sobre o que irá acontecer; Deste modo: observe o diálogo:

-When is Sarah coming? (Quando a Sarah chega?)
-I think she'll be here by 5 o'clock. (Acho que ela estará aqui por volta das 5)

"She'll be here by 5 o'clock" expressa uma previsão sobre a hora em que eu acredito que ela chegará. Caso eu tenha certeza sobre essa hora, é melhor usar "be going to:"  She's going to be here by 5 o'clock - demonstrando que minha previsão de futuro é baseada em uma EVIDÊNCIA. Como em "The sky is dark; it's going to rain."  Se o céu está escuro, a possibilidade de chuva é grande, então eu uso 'be going to' para me expressar. Uma forma mais generalizada, digamos, seria: "I think it will rain."

👉WILL é usado para formar o "first conditional", ou seja, o primeiro condicional, que fala das possibilidades concretas de que algo possa acontecer. Deste modo:  

If I study hard, I will pass (I'll pass) my exam. (Se eu estudar muito, passarei no exame). 
Mais um exemplo com first conditional: Você acha que irá ao Rio amanhã, e gostaria de visitar sua prima Joana que mora lá; você diz: If I go to Rio tomorrow, I'll visit my cousin Joana (Se eu for ao Rio amanhã, visitarei minha prima Joana).

👉 Porém, quando nós estamos falando de PLANOS PESSOAIS, não usamos WILL; 

"Por que? É incorreto? "  😮

Não. Mas soa formal demais. As pessoas não usam WILL quando falam de seus planos pessoais!

Ao falarmos de planos pessoais, podemos usar 'be going to' ou o 'present continuous.' Ao escolhermos a segunda forma (present continuous), estamos dizendo que vamos realmente fazer algo, e que não há nada que nos faça mudar de ideia. Vamos imaginar o seguinte diálogo:   👇

-What are you doing tomorrow morning? (o que você vai fazer amanhã de manhã?)  -  Note que, ao usarmos esta forma em perguntas, deixamos óbvio para o nosso interlocutor que pretendemos lhe fazer um convite. 
-I'm studying for my Chemistry test all day. (Vou estudar para o meu teste de química o dia todo). Neste caso, está claro para quem fez a pergunta, que esta é a minha decisão sobre o que farei amanhã, e nada poderá mudá-la. 

Porém, se a resposta for: "I'm going to study for my Chemistry test", o interlocutor entenderá que sua decisão pode ser mudada, e provavelmente ele lhe fará o convite.

Quando usamos WILL em uma resposta como esta, expressamos que antes da pergunta ser feita, sequer havíamos pensado sobre o assunto, e que decidimos agora, no momento da fala; assim: "I'm not sure... I think I'll call Mary and invite her to see a film."  (Não tenho certeza... acho que vou ligar para Mary e convidá-la para ver um filme)

Então, vamos dar mais uma olhada no diálogo e nas três respostas possíveis à pergunta WHAT ARE YOU DOING TOMORROW MORNING?




- I'm studying for my Chemistry test.  (decidi. Não vou mudar de ideia. Antes que você me perguntasse, já tinha colocado isso na minha agenda)


-I'm going to study for my Chemistry test. (Decidi, mas talvez ainda nao tenha batido o martelo...)



-I don't know... I think I'll call Mary and invite her to see a film. (Eu não tinha a menor ideia antes de você me perguntar, e tomei esta decisão agorinha mesmo)




I'll see you next post!      



segunda-feira, 15 de maio de 2017

Como Escolher um Curso de Inglês?







Como instrutora de ensino e professora de inglês, já atuei em vários cursos e uma escola. Tive que aprender a utilizar e aplicar corretamente as metodologias dos cursos nos quais trabalhei, e eis o que eu percebi:


👇


-Metodologias, por melhores que sejam, não se adaptam a todos os alunos. Um exemplo disto, é a grande evasão de alunos após o primeiro semestre de curso. Pessoas têm vivências diferentes, e aprendem de maneiras diferentes. Não é possível adaptar todos os alunos a uma metodologia que seja rígida e inflexível.

-O número de alunos em uma sala de aula influencia positiva ou negativamente o desempenho dos alunos. O ideal, é que o número máximo seja de 12 alunos, mas existem cursos que têm vinte ou mais alunos em uma turma, dividindo um tempo de aula de cinquenta minutos a uma hora. Nada produtivo.







Mas como escolher um curso de inglês?


😕

-Alguns cursos oferecem a opção de o aluno em potencial poder assistir a uma aula demonstrativa juntamente com uma turma. Ali ele poderá julgar por si mesmo a eficiência da metodologia, a capacitação do professor e se ele se sente confortável no método ou não. 

-Desconfie de promessas de aprendizado rápido e sem esforço. Ninguém fala inglês fluente em uma semana, ou em alguns meses. E além de falar, é necessário compreender o que é dito, e isso leva tempo, estudo e muitos exercícios de audição e vocabulário.

-Faça perguntas! Pesquise na internet, tente conversar com pessoas que fizeram ou fazem o curso que você está pesquisando, enfim, informe-se bastante!




-Faça uma avaliação de custo/benefício. Alguns cursos oferecem um material caríssimo, e tentam forçar a permanência do aluno através da venda de vários módulos de estudo de uma só vez, que o aluno é obrigado a comprar a fim de entrar no curso. Ou seja: se você compra o pacote todo, do livro 1 até o último, e paga um bom dinheiro por ele, é menos provável que você desista no meio do caminho. 

-Já no curso, se você não se sentir confortável em uma turma, peça para mudar! Algumas pessoas não se sentem confortáveis entre alunos muito mais jovens ou muito mais velhos do que elas, o que pode deixá-las constrangidas. Já estive em turmas com diferenças de idade entre os alunos, e não vi problemas, de um modo geral; mas alguns alunos não gostam, preferindo estar entre pessoas da mesma faixa etária.

-Não aceite ficar em uma turma que esteja muito mais avançada ou muito menos avançada que você. No primeiro caso, você não conseguirá acompanhar o grupo, e se sentirá frustrado; no segundo caso, você ficará entediado. Exija ser colocado em um grupo que tenha mais ou menos o mesmo nível que você.

Para entender um pouco melhor, cursos de inglês são negócios e precisam obter lucros; a maioria deles só começa uma turma após juntar no grupo um certo número de alunos; assim, pela necessidade de se abrir novas turmas, muitas vezes o desnível de conhecimento entre os alunos é ignorado, e eles são forçados em um grupo que é mais avançado ou menos avançado do que o nível certo para eles.

-A escolha de um curso é algo muito pessoal, e deve ser feita com muito cuidado. Avalie suas necessidades e objetivos, e pense bem se o curso escolhido estará à altura de suas expectativas.

Faça uma boa escolha, and...   good luck! 😉





domingo, 7 de maio de 2017

"I Hate Reading!"






So sorry if you hate reading. 

Reading is one of the best ways to learn new vocabulary. You can do it in the peace of your home, lying in your bed, or resting on the sofa. Maybe, in a beautiful park surrounded by trees... or at your computer. 

I suggest buying a Kindle, and downloading some of the many e-books in English - some of them can be downloaded for free - and make good use of the dictionary app which is available; you just click on a word, and you'll find it's definition. 

Read something. Read anything. Read everything. But read, please read! 

Everyone has a favorite subject, and you can read about yours in English instead of doing it in Portuguese. If you don't like reading books, read magazine articles! Read advertising online, or at least music lyrics. I promise you'll enhance and accelerate your English learning if you just read. Try it for three months only, and check the excellent results; they will certainly make you want to go on reading something every day!

You'll see improvements not only in your vocabulary, but also in your fluency and grammar. Prepositions will start to fall into place automatically, without any effort, and you'll soon be using them correctly. Word order is also something that will start to happen naturally; you'll know exactly where to place adverbs, adjectives, prepositions and pronouns without having to stop to think about it. 

Things will start to make sense for you. Because you'll know much more vocabulary, listening is going to start becoming easier and easier. 

Your teacher will certainly notice your progress. And so will you!





segunda-feira, 17 de abril de 2017

Que Sujeito é esse?!









Olá, pessoal!

Hoje eu gostaria de tocar em um assunto delicado: os sujeitos em inglês. Muitas pessoas acham que, como é possível omitir os sujeitos em português, o mesmo pode ser feito em inglês.

Devido as variações verbais que temos de pessoa para pessoa  em português é perfeitamente possível dizer: "Gosto de maçãs." Isto acontece porque na nossa língua há uma flexão diferente para cada pessoa: gosto, gostas, gostam, gostamos. Mas isso não acontece na língua inglesa, e por isso, precisamos ser mais cuidadosos. 




Conjugando o verbo to like no presente simples, temos:

I like, you like, he likes, she likes, it likes, we like, you like, they like. Só há diferença na terceira pessoa do singular (he, she, it); portanto, se eu digo: "Like to take photos," quem ouvir esta frase ficará sem saber quem gosta de tirar fotografias, pois não há sujeito! 

É preciso usar o sujeito: I like to take photos, Peter likes to take photos, Mary and John like to take photos. Como não existem flexões de gênero e número nos verbos ingleses, precisamos usar sujeitos o tempo todo - a não ser em imperativos; por exemplo: Come here, please (venha aqui, por favor), Help yourself (sirva-se), Have a nice trip (faça uma boa viagem). Sem essa de sujeito oculto em inglês!




Aqui no Brasil, ao falar do tempo, comumente dizemos: Faz calor, está frio, chove agora, choveu muito ontem - usando sujeito inexistente. Mas em inglês, devemos sempre usar o pronome 'it' ao nos referirmos ao clima: IT is raining now (Está chovendo agora), IT snows a lot here in Winter (Neva muito aqui no inverno), IT's very hot today (Está muito calor hoje), IT is cloudy now (Está nublado agora). 

Da mesma forma, quando temos frases como: "Dizem que chove muito no Brasil" ou "Sabe-se que os brasileiros amam futebol", por exemplo, onde os sujeitos estão ocultos, em inglês tais frases ficam assim: 

IT is said that it rains a lot in Brazil
IT's Known that Brazilian people love Football. 

Usa-se o pronome 'it' + verbo to be + o particípio do verbo principal = voz passiva



Outros exemplos similares:

It has been concluded that... - Foi concluido que...
It will be understood that... - Será compreendido que...
It's thought that... - Pensa-se que...

I hope it's understood! (Espero que tenha sido entendido!)   👌


sexta-feira, 31 de março de 2017

Como Posso Tirar Melhor Proveito de Minhas Redações em Inglês?



Compositions: alguns alunos sentem arrepio ao ouvirem esta simples palavrinha saindo da boca de seu professor! Muitos dizem: "Mas tenho mesmo que escrever uma redação? Eu só queria aprender a falar!"

Alto lá, amigo! Falar uma língua significa desenvolver todas as habilidades que ela exige: ler, escutar e escrever estão incluídos! Ou será que você deseja ser um analfabeto em inglês?     😲

No trabalho, você com certeza precisará escrever relatórios, e-mails e vários outros tipos de documentos em inglês; já pensou, escrever um relatório cheio de erros de grafia e estrutura? Que feio! 




Escrever redações pode ajudá-lo muito a aprender a falar fluentemente. 

Como? Escrever ajuda na fluência?

É claro! Ao escrever, você tem mais tempo para prestar atenção à estrutura frasal, que geralmente, pode "passar batido" enquanto você fala. Também precisará pesquisar vocabulário para usar em seu texto, e assim, você aprenderá novas palavras. Também poderá prestar atenção aos tempos verbais e preposições. Enfim: você só sai ganhando ao escrever redações. E se for esperto, aproveitará as correções do professor para reescrever seu trabalho da forma correta, aprendendo ainda mais.





Algumas dicas úteis:

-Primeiro, pense no que você quer escrever. Faça um pequeno 'brainstorm' (significa deixar as ideias rolarem soltas) e anote tudo em uma folha de rascunho; depois, veja o que você vai querer usar na sua composition, eliminando o restante. 

-Escreva um primeiro rascunho; lembre-se de que toda história tem começo, meio e fim, e precisa fazer sentido para quem a lê. 

-Reescreva sua composition, separando-a em parágrafos bem organizados. Geralmente, o primeiro parágrafo serve para apresentar - introduzir - o assunto. No segundo parágrafo, você o desenvolverá, dando mais detalhes. Um terceiro parágrafo poderá falar sobre os pontos positivos, e um quarto, sobre os pontos negativos. Para encerrar, o quinto parágrafo poderá ser um pequeno resumo, afirmando a sua opinião sobre o assunto. Mas esta fórmula não é receita de bolo: é apenas uma sugestão.

-Ao terminar, vá dar uma volta. Mais tarde, releia seu trabalho e procure por erros de ortografia, gramática (tempos verbais, preposições, pontuação, estrutura frasal, etc...); vá dar mais uma voltinha, beba um copo d'água... e demore bastante. Quem sabe, umas duas ou três horas.



-Volte e releia: como você se sentiria no lugar do leitor? Seu texto está claro? O que você poderia melhorar? Há palavras que estão sendo irritantemente repetidas? Se há (e quase sempre, há), como você poderia substituí-las?

-Finalmente, make a clear copy (passe a limpo) pela última vez, com muito cuidado. Entregue ao professor e, ao receber seu trabalho corrigido, examine-o. Se necessário, faça perguntas. E reescreva tudo da forma correta. 

Trabalhoso? É, sim; mas sem dedicação, aonde se chega, não é mesmo?



5 Ways to Spot a Liar






Here is an interesting article that I found on Google pages, long ago... unfortunately, I do not know the name of the author. 

This text is aimed at advanced and upper intermediate students. If you're in doubt about the meaning of a word, it's a great chance to look it up in a dictionary and learn it. 

Read and learn more about liars and their lies. And of course, have a great time learning English!


        5 Ways to Spot a Liar 👨


A friend says a gift is in the mail when it isn't. A neighbour swears she loves your new fence when she can't stand the sight of it. A salesclerck claims his store is offering big savings on everything in stock, when only a few selected items, as it turns out, are marked down.

Little white lies ( of all sorts) are tossed our way daily, and getting to the truth of the matter can be frustrating, time-consuming, even upsetting.
Lies occur between friends, between teachers and students, doctors and patients, husbands and their wives, witnesses and jury, lawyers and clients, salespeople and customers,” says Paul Ekman, professor emeritus of psychology at the University of California, San Francisco. Ekman has been studying deceptive behaviour for more than four decades and is the author of several books on the subject. “Lying is such a central characteristic of life”, he says, “that understanding it better is relevant to almost all human affairs.”

Try these compelling tips from the experts on how to spot a liar:

Hear the Voices -  Ever notice the pitch of someone's voice change from its norm? Hearing a voice crack when it isn't the cracking type? Pay attention to voice changes like these. They may well indicate deceit.
When Paul Ekman teamed with Maureen O'Sullivan, professor of psychology at The University of San Francisco, to test 509 people for their ability to spot liars, the results were telling. The group included Secret Service, CIA, and FBI personnel, as well as psychiatrists and college students. They were shown a videotape of ten individuals who were either lying or telling the truth.

On the tape, one woman described the lovely flowers she was supposedly looking at. Though she was smiling as she spoke, a few keen observers detected an odd hesitation in her voice. Her words lacked joy, and her hands seemed tense, not relaxed. One of the Secret Service agents labeled her a liar, and he was right. She wasn't looking at flowers at all, but at a graphic film the evaluators were showing. (The Secret Service employees, by the way, nailed the liars 86 per cent of the time, better than others in the group.)

Though other important behaviours need to be considered as well, vocal changes that deviate from the norm can indicate deception. “There may also be a change in speech rate, either too fast or too slow, and a change in breathing pattern.”

Watch those words – How about written material? Can we spot mislesading behaviour in letters, documents, e-mails and even résumés? At the University of Texas at Austin, psychology professor James Pennebaker and colleagues have developed computer software known as Linguistic Inquiry and Word Count ( LIWC ), which analyzes written and verbal content for lies. Deception can reveal itself in two significant ways, explains Pennebaker.

First, liars tend to use fewer first-personal pronouns – words like I, me, mine – than truth tellers. It's as if they are putting psychological distance between themselves and their stories; they don't “own” their message. “The paperwork was sent yesterday” is an example, opposed to the direct and personal “I sent it yesterday.” Second, liars use fewer exclusionary words – but, nor, except, whereas. They have trouble with complex thinking, says Pennebaker, and it shows.

Look Past Shifty Eyes – While most people tend to interpret darting, unfocused eyes as a classic sign of lying, what's vital to consider is the context of the behaviour. (Experienced poker players, of course, are careful not to make too much of  eye “tells.”)

“If people look away while trying to think of something difficult, that is not important,” says O'Sullivan. “But if they look away while answering something that should be easy to answer, you should wonder why.”
And what is the conversation about, anyway? The subject matter is critical. “If people are lying about something they're ashamed of, they'll have difficulty maintaining the eye gaze,” notes O'Sullivan. “For white lies, though, or lies that aren't shameful, people may actually increase their eye gaze.”


Get Better at Body Language – No single part of the face or body, such as the eyes,  or hands, can tell us the whole story when it comes to lying. It's not that simple. “There is no Pinocchio's
 nose ,” says Ekman flatly. Instead, “you must consider the fit among face, body, voice and speech to reach high levels of accuracy.”
That means observing the “total person” whenever possible. “Clues must always be interpreted in light of the usual behavious”, explains O'Sullivan. “Changes in small hand movements, changes in the amount of hand gestures, shrugs that are inconsistent with what's being said” - these are worth homing in on, she suggests. 
So are changes in body posture at particular points in a conversation. 
Watch for “a change in the baseline,” says O'Sullivan. For instance, A quiet person who talks a lot , or a person who talks a lot and is now quiet. It doesn't necessarily means that someone's lying, but it's a hot spot to evaluate.”

Check for Emotional Leaks – The micro expressions that flit across people's faces often expose what they are truly thinking or feeling, as opposed to what they would like us to believe, explains Ekman. But these ultra-brief facial movements, some lasting a quarter of a second, aren't a cinch to spot. Even professionals trained in the art of lie detection – police personnel, judges, attorneys – can't always isolate them. And deliberate liars tend to layer on other expressions, like smiling, to further disguise a lie.

Still, there are giveaways. “It isn't the frequency of a smile that matters, but the type of smile,” says Ekman. “There are smiles of true enjoyment, which involve not just the lips but the muscles that orbit the eyes. And there are masking smiles, which are made to cover fear, anger, sadness or disgust. If you're a good observer, you can see a trace of one of those emotions leak through.”
So here's hoping the next time someone lobs a lie our way, we'll know just how to catch it.






quinta-feira, 23 de março de 2017

Vídeos divertidos e interessantes que vão ajuda´-lo muito na aprendizagem!



Gente, o carinha aí em cima é o Gavin, do canal Small Advantages. Sempre recomendo seus vídeos aos meus alunos, pois além de serem muito bacanas e divertidos, eles são feitos por um nativo da língua, que realmente sabe do que está falando. Acompanhem este canal, pois ele traz muita informação útil e as aulinhas são maravilhosas!


Você encontrará mais vídeos do Gavin no YouTube. Assistam e aprendam!





terça-feira, 21 de março de 2017

"NÃO CONSIGO APRENDER INGLÊS!"






Ensino Inglês há mais de 20 anos, o que me deixa com um certo 'background' para tecer algumas observações a respeito dos perfis dos muitos alunos que já passaram por mim. O que eu tenho visto, é que a maioria dos alunos adultos que decidem aprender inglês o mais rápido possível apenas por causa do trabalho, acabam desistindo do curso. Falta-lhes motivação e sobra ansiedade. Geralmente, tais alunos tiveram chance de aprender quando eram crianças ou adolescentes, mas não a aproveitaram porque detestavam inglês, e tinham 'coisas melhores' para fazer. Aprender apenas porque sente-se forçado devido ao trabalho não é o suficiente; é preciso uma motivação maior que esta.

Estes alunos desesperados acreditam que, matriculando-se cinco dias por semana, várias horas por dia, estarão fazendo o suficiente; porém, seria bem melhor se assistissem a duas ou três horas de aulas, e em casa, procurassem dedicar seu tempo a ler mais em inglês, escutar músicas, assistir a filmes, ouvir os áudios dados durante as aulas, fazer os exercícios e estudar os textos e a gramática dados em sala de aula. 

Já está mais que provado que cursos intensivos não garantem total assimilação, pois há uma quantidade enorme de conteúdo para ser aprendido em pouquíssimo tempo. Certamente, ninguém terá tempo de estudar em casa o que foi ensinado em aula. PARA APRENDER UMA ESTRUTURA FRASAL OU UM TEMPO VERBAL, É PRECISO PRATICÁ-LO - FAZER EXERCÍCIOS ESCRITOS, ORAIS E AUDITIVOS.

E os preços de cursos intensivos podem ser bem altos! 👎👀

Quando o aluno chega até mim me perguntando sobre todos os meus horários livres e querendo ocupar todos eles, ao invés de ficar feliz com a possibilidade de ganhar mais com o meu trabalho, eu tento dissuadi-lo; sei exatamente qual será o resultado: desistência. Tento conversar, e convencê-lo de que seria melhor começar mais devagar, e dedicar mais tempo às atividades sugeridas fora de sala de aula. Sem dedicação total, ninguém aprende muita coisa.

Porém, às vezes chegam até mim aqueles alunos que, segundo eles mesmos, "não conseguem aprender." Já passaram por vários cursos e professores particulares, sem obter grandes resultados: dois anos aqui, um ali, seis meses acolá... 

O que eu tenho percebido, é que eles se subestimam, e também subestimam suas capacidades. É claro que algumas pessoas têm mais capacidade para aprender inglês do que outras - e o mesmo se dá a respeito de matemática, ciências, etc... porém, isto apenas significa que, aquele aluno que tem mais dificuldades, precisará dedicar-se mais, estudar com mais afinco e, o mais importante de tudo, não desistir!

Quando você é iniciante e desiste diante das primeiras dificuldades, está se estigmatizando a ser um eterno aluno iniciante: aquele que começa, desiste, e ao recomeçar, precisa fazê-lo do zero, pois não praticou o suficiente para guardar as estruturas básicas, e necessita aprender todas elas de novo. E esse ciclo pode durar a vida toda. 

Já vi muitos destes alunos culpando os professores e/ou as metodologias dos cursos que frequentam por seu insucesso, simplesmente porque é mais fácil culpar alguém a assumir a própria responsabilidade pelo seu fracasso. 

Quem desiste, automaticamente fracassa. Quem persiste, tentando superar suas dificuldades, dedicando-se mais, estudando e esforçando-se, terá sucesso. Mesmo que leve mais tempo. Mas é preciso ter olhos para ver e para admitir que falta de tempo, na verdade,  é falta de vontade, de método, de organização.

Pense bem: quanto tempo você passa em frente à TV, na academia, dormindo, ou tomando uma cerveja com os amigos? Será que não poderia dividir este tempo e dedicar metade dele aos seus estudos de inglês? Garanto que sim! Basta organizar-se. E tirar do seu vocabulário a palavra 'desistência.' 

Digo sempre aos meus alunos: nos dias de hoje, aprender inglês não é um diferencial na hora de conseguir um emprego ou uma promoção: é uma exigência.



sexta-feira, 17 de março de 2017

My Way - Frank Sinatra






And now, a very beautiful song...


My Way - Frank Sinatra
Da minha maneira 

And now the end is near,
E agora, o fim está próximo
And so I face the final curtain.
E então eu encaro a cortina final
My friend, I'll make it clear,
Meu amigo, deixarei isto claro
I'll state my case, of which I'm certain.
Apresentarei minhas razões, das quais estou certo

I've lived a life that's full,
Vivi uma vida que é completa
I travelled each and every highway.
Viajei por toda e cada estrada
And more, much more than this,
E mais, muito mais do que isso,
I did it my way.
Eu o fiz da minha maneira

Regrets I've had a few,
Arrependimentos, eu tive alguns
But then again too few to mention.
Mas novamente, poucos demais para serem mencionados
I did what I had to do,
Fiz o que tinha que fazer
And saw it through without exemption.
E o avaliei sem isenções

I planned each chartered course,
Planejei cada caminho traçado
Each careful step along the by way.
Cada passo cuidadoso pelo caminho 
And more, much more than this,
E mais, muito mais do que isso
I did it my way.
Eu o fiz  da minha maneira

Yes,
Sim,
There were times,
Houve tempos
I'm sure you knew,
Tenho certeza de que você soube,
When I bit off more than I could chew.
Em que eu me sobrecarreguei demais

But through it all, when there was doubt,
Mas através de tudo isso, quando havia dúvidas,
I ate it up, and spit it out.
Eu comi tudo e cuspi fora
I faced it all, and I stood tall,
Eu encarei tudo, e permaneci de cabeça erguida
And did it my way.
E o fiz  da minha maneira

I've loved, I've laughed, and cried,
Amei, sorri, chorei,
I've had my fill, my share of losing.
Tive minha porção, minha parcela de perdas
And now, as tears subside,
E agora, quando as lágrimas cedem,
I find it all so amusing.
Eu acho tudo tão divertido

To think I did all that,
Pensar que fiz tudo isso
And may I say, not in a shy way.
E poderia dizer, não de uma maneira tímida,
Oh no, oh no, not me
Oh, não, oh, não, não eu
I did it my way.
Eu o fiz da minha maneira

For what is a man, what has he got,
Pois o que é um homem, o que ele tem
If not himself, then he has not
Se não a si mesmo, então ele não tem
To say the things he truly feels,
Que dizer as coisas que ele realmente sente
And not the words of one who kneels.
E não as palavras de um que se ajoelha

The record shows,
Os registros mostram
I took the blows
Eu levei os golpes
And did it my way.
E o fiz  da minha maneira

Yes, it was my way.
Sim, foi da minha maneira.





Vamos olhar com mais cuidado para algumas expressões que aparecem na letra:

...I did it my way - Eu o fiz da minha maneira. A palavra 'way' significa caminho, maneira, modo.


...and so I face the final curtain - "The final curtain" aqui faz referência Às cortinas de um teatro, quando a peça termina. O cantor se refere ao fim de uma jornada - quem sabe, o fim da vida.

..I'll state my case - Apresentar suas razões para fazer algo, defender-se. 
Exemplos: This is a good opportunity to state your case. Esta é uma boa oportunidade para você se explicar.

...I saw it through - to see something through significa examinar algo a fim de avaliar. (Quando alguém veste uma roupa transparente, por exemplo, podemos dizer: "A see-through blouse> Uma blusa transparente, que quando alguém está usando, deixa ver o que está além dela, do outro lado.)  Exemplo:
They can see through double standards far more easily than we could > Eles podem examinar/ visualizar as coisas bem mais facilmente do que nós podíamos- (Linguee dictionary)

...I bit off more than I could chew - Literalmente, significa morder mais do que você pode mastigar. Ou seja: encher a boca de tal forma, que mastigar fica difícil. Esta expressão idiomática serve para ser usada naquelas situações em que nós nos ocupamos demais e assumimos mais tarefas do que podemos cumprir. 
To bite, bit, bitten - morder   -    to chew, chewed, chewed - mastigar.

...I stood tall - Literalmente, ficar de pé alto. Na nossa língua, a expressão correspondente é manter a cabeça erguida
Exemplo: Australian surfers can stand tall again this year as we have another world tittle. > Os surfistas australianos podem orgulhar-se (ficarem de cabeça erguida) novamente este ano já que temos outro título mundial. )Linguee Dictionary)


Gostou?

Então ouça mais uma vez. E mais outra. E de novo... cante junto!